Inicio

Artigos

Aulas

Cursos

Eventos

Em breve

Programas

Em breve

Podcasts

Em breve

Web Séries

Inicio

Artigos

Aulas

Cursos

Eventos

Em breve

Programas

Em breve

Podcasts

Em breve

Web Séries

Meu Perfil

Sair

Notificações

Nenhuma notificação para mostrar

Favoritos

Nenhum item foi favoritado

Por que o Magazine Luiza comprou a startup SmartHint?

Empresa fundada por Rodrigo Schiavini, aluno da StartSe University, foi vendida após quatro anos de sua fundação para o Magalu. Saiba por que chamou a atenção da gigante do varejo.

Por Sabrina Bezerra

Foi em 2017 que a SmartHint, startup de Software as a Service (SaaS), dona de uma ferramenta de busca inteligente e recomendação de compras para e-commerce, foi fundada por Rodrigo Schiavini. Aluno da StartSe University, ele tinha o objetivo de transformar a compra pela internet mais intuitiva. Para isso, passou a oferecer o serviço baseado em machine e deep learning capaz de recomendar produtos de acordo com o perfil de navegação do consumidor — o que aumentaria a taxa de conversão do varejista. Deu certo. A empresa começou com dez clientes, um mês depois tinha mais de cem, e hoje conta com uma cartela de exatos 1100 clientes. E não para por aí: nesta quarta-feira (07/04), foi anunciado que o Magazine Luiza comprou a startup. O valor da aquisição não foi divulgado.

COMO FUNCIONA A SMARTHINT E POR QUE VENDÊ-LA?

Imagine que você pretende fazer uma compra em um e-commerce. Você acessa o site, e ele — com base em inteligência artificial — o personaliza de acordo com o seu gosto. Em outras palavras, o sistema faz um mapeamento de informações individuais e assertiva para recomendar produtos para você. O sistema mostra vitrines com produtos mais vistos, mais vendidos, lançamentos, ofertas especiais, entre outros. Além disso, faz a leitura de cor e de categoria ideal para você. E também permite que a busca seja feita por comando de voz. 

Mas por que vender? Em entrevista à StartSe, Rodrigo Schiavini, fundador e CEO da SmartHint, conta que, neste momento, não era o plano vender a startup. Ao contrário, “o caminho original era fazer novas análises de investimento e a gente fazer aquisições”, diz. No entanto, com o Magalu aconteceu uma sinergia cultural, com o propósito de desenvolver o varejo e continuar tendo liberdade para trabalhar. Ele explica que, embora a aquisição tenha sido feita 100% — ou seja, ele não terá participação como dono —, continuará trabalhando como administrador da startup. “Tudo continua igual para a base de clientes e para os quarenta colaboradores. E isso é o que é mais bacana, essa liberdade de continuar inovando e melhorando tudo o que a gente faz”, afirma Rodrigo. Eles irão trabalhar junto com o time de Luizalabs, controlada pela companhia. “Ganhamos reforço e impulso tecnológico para crescimento do varejo — e, agora, atendendo também o ecossistema, Magalu”, diz. 

O QUE FEZ O MAGAZINE LUIZA COMPRAR A STARTUP SMARTHINT?

O ano começou em clima de aquisições para o Magazine Luiza. Em pouco mais de um mês, por exemplo, a empresa já comprou cinco empresas. As últimas (antes da SmartHint) foram a plataforma de supermercados VipCommerce, app de delivery de comida do ToNoLucro; a plataforma de bares e restaurantes GrandChef; e o site de moda Steal The Look. O objetivo é fortalecer o varejo e se tornar cada vez mais um superapp. 

"Com a SmartHint, o Magalu irá ampliar ainda mais a assertividade da busca dentro do seu SuperApp – que já conta com mais de 26 milhões de itens disponíveis. Além disso, a experiência de compra dentro dos mundos e mini-mundos – especializados em categorias como moda, esportes, mercado, livros e food delivery – será aprimorada com recomendações ainda mais personalizadas e inteligentes", disse a empresa em comunicado

Para Rodrigo, dois fatores foram importantíssimos para a compra: a tecnologia — como o buscador inteligente e principal produto e a busca por voz; e a capacidade de crescimento da startup. “Crescemos muito rápido justamente por oferecer uma ferramenta simplificada. A Magalu tem o propósito de digitalizar o varejo brasileiro. Para isso, de ferramentas que facilitem esse processo”, conta. 

Rodrigo Schiavini, fundador da SmartHint, junto com a turma de alunos da StartSe University (Foto: Divulgação)

POR QUE IMPORTA?

É importante ficar de olho: o mercado de Software as a Service (SaaS) ou Software como serviço, em português, — que a SmartHint faz parte — está a todo vapor. Segundo a pesquisa “Mercado Brasileiro de Software – Panorama e Tendências 2020”, realizado pela ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) em parceria com o IDC, para 2021 a projeção é de que mercado de desenvolvimento de software no Brasil deva crescer cerca de 10%. É um mercado tão promissor que a consultoria Gartner prevê crescimento mundial de 18% em gastos com Nuvem Pública em 2021. E quando falamos de SaaS, a previsão da consultoria é de movimentar US$ 117,7 bilhões .