Inicio

Artigos

Aulas

Cursos

Eventos

Em breve

Programas

Em breve

Podcasts

Em breve

Web Séries

Inicio

Artigos

Aulas

Cursos

Eventos

Em breve

Programas

Em breve

Podcasts

Em breve

Web Séries

Meu Perfil

Sair

Notificações

Nenhuma notificação para mostrar

Favoritos

Nenhum item foi favoritado

article image

Como Shenzhen se tornou o principal centro de inovação do oriente

A cidade de Shenzhen, no sul da China, passou em 40 anos de uma pequena vila de pescadores de 50 mil habitantes a metrópole berço de gigantes de tecnologia como Tencent, dona do WeChat, e Huawei, maior fabricante de equipamentos de redes de telecomunicações do mundo.

Com 13 milhões de habitantes, Shenzhen foi reinventada a partir da criação, pelo governo chinês, na década de 1980, da Zona Econômica Especial, mecanismo de abertura da economia chinesa, que ofereceu às empresas benefícios fiscais, de infraestrutura e para contratação de mão de obra qualificada.

Com a criação da Zona Econômica Especial, a cidade começou a atrair mais e mais empresas, sobretudo as fábricas de hardware e componentes. Logo o volume de produção local tornou Shenzen conhecida como a fábrica do mundo.

No início dos anos 1980, as fábricas e indústrias que ali se instalavam eram grandes copiadoras, de baixo custo dado o incentivo para a produção do governo chinês, de tecnologias desenvolvidas em outros países.

Este passado de produtos de baixa qualidade ficou para trás. Grande parte dos computadores, smartphones, tablets, videogames, drones e outros artefatos digitais são produzidos em Shenzhen e arredores.

Um estudo do governo da província de Guandong estima que 30 bilhões de dólares foram derramados em Shenzhen só por companhias estrangeiras, desde que a cidade tornou-se uma zona econômica especial.

Rivalizando com o Vale do Silício

Hoje, Shenzhen é a principal expoente da chamada Greater Bay Area – região formada por nove cidades chinesas (Shenzhen, Guangzhou, Zhuhai, Foshan, Dongguan, Zhongshan, Jiangmen, Huizhou, Zhaoqing) e duas regiões administrativas especiais (Hong Kong e Macau).

Essa região atualmente concentra mais riqueza do que a Baia de São Francisco, nos Estados Unidos, onde estão localizadas as empresas que compõe o Vale do Silício. O PIB conjunto das cidades que formam a Greater Bay Area já soma US$ 1,64 trilhão.

Esse valor corresponde a quase o dobro dos US$ 837 bilhões gerados pelos negócios localizados no Vale do Silício, que ainda supera a China quando se considera o PIB per capta, mas os chineses rapidamente estão encurtando esta vantagem.

A China vem construindo a imagem de nova economia digital. Parte desta estratégia é baseada no fortalecimento de seu ambiente doméstico e na expansão de sua presença global, por meio de empresas de tecnologia.

Berço de startups

A China tem hoje papel de protagonismo no que tange ao desenvolvimento de novas tecnologias, principalmente em áreas como inteligência artificial e reconhecimento facial. Sem concorrência de gigantes globais como Google, Facebook, Twitter e centenas de outras companhias, as startups avançam no enorme mercado digital chinês que tem 800 milhões de internautas.

Shenzhen é talvez a cidade símbolo da China digital. Por lá, muitos estabelecimentos não operam mais com cartões de crédito. Os pagamentos são todos por celular. Quase toda a frota de ônibus e táxis é de veículos elétricos. Grande parte do sistema de delivery, de restaurantes a serviços de entregas expressas, é feito com motonetas ou scooters elétricas.

Uma parcela significativa dos jovens profissionais trabalha em coworks, que estão espalhados por toda a cidade, imaginando criar o próximo unicórnio, como são chamadas as startups com valor de mercado superior a US$ 1 bilhão.

 

Quer aprender a fazer negócios com o mercado que é o motor de crescimento do mundo? Conheça o Executive Mission China e viva a experiência de uma semana de imersão e aprendizado focado em inovação e transformação de negócios dentro do ecossistema das empresas mais disruptoras do planeta.