Inicio

Artigos

Aulas

Cursos

Eventos

Em breve

Programas

Em breve

Podcasts

Em breve

Web Séries

Inicio

Artigos

Aulas

Cursos

Eventos

Em breve

Programas

Em breve

Podcasts

Em breve

Web Séries

Meu Perfil

Sair

Notificações

Nenhuma notificação para mostrar

Favoritos

Nenhum item foi favoritado

Fintech Bluebenx traz cashback em criptomoedas e oferece serviços na Blockchain

A fintech oferece a gestão de criptoativos junto aos serviços tradicionais de conta digital

Por Tainá Freitas

Criptomoedas e contas digitais são duas verticais do sistema financeiro que não se misturam? Errado. Já existem fintechs que permitem a gestão de criptomoedas dentro de contas digitais, bem como a realização de serviços financeiros dentro da Blockchain -- e uma delas é a Bluebenx.

A startup foi criada em 2017 como uma gestora de portfólio de investimentos em criptomoedas. A companhia também intermediava a compra e venda das moedas através de exchanges -- inclusive estrangeiras --, possibilitando a compra de ativos ainda não vendidos nas corretoras brasileiras.

A evolução do negócio foi a união entre as criptomoedas -- que vão do Bitcoin às altcoins, as moedas alternativas -- com o real. Agora, a companhia possibilita que os usuários paguem suas contas com Bitcoin ou outras criptomoedas.

 

COMO UTILIZAR CRIPTOMOEDAS NO DIA A DIA?

Bitcoin, Ripple, Ethereum e Litecoin são algumas das criptomoedas mais populares (foto: Getty Images)

Embora empresas como a Tesla, PayPal e Visa já aceitem criptomoedas como forma de pagamento, essa ainda não é uma realidade popular no Brasil. A Bluebenx permite que os clientes guardem seus criptoativos e os convertam rapidamente em real para utilizar o valor em compras e saques, por exemplo.

O nosso objetivo é ser um blockchain bank e mostrar que as pessoas vejam o mercado de cripto não apenas como virtual, mas um mercado real, em que podem converter um Ripple rapidamente para usar o valor no cartão de débito e pagar a conta do restaurante”, explica Roberto Cardassi, CEO e fundador da Bluebenx, em entrevista à StartSe.

Outro objetivo ao se tornar um “blockchain bank” é de permitir a conexão entre várias redes e serviços. Atualmente, a Bluebenx se conecta com a blockchain utilizada pelo Bitcoin e a DeFi, que promove a ideia de finanças descentralizadas (isto é, que transações sejam realizadas com outros intermediários além de bancos, exchanges e corretoras).

 

CASHBACK EM CRIPTOMOEDAS

Assim como diversos bancos e fintechs de conta digital, a Bluebenx é recompensada através do spread bancário. No entanto, a companhia também oferece um programa de recompensas que recebe o mesmo nome. No Spread da Bluebenx, os usuários são recompensados com criptoativos.

“Nos baseamos no Stacking, um modelo que já existe no mercado. O cliente adquire ativos e se dispõe a guardá-los, sem negociar, por um período específico escolhido por ele. Isso é chamado de ‘holding’ e gera recompensas devido ao tempo de permanência e da possibilidade de ganho de valorização da criptomoeda”, explica Cardassi.

A fintech oferece o holding de mais de 20 ativos, a exemplo da criptomoeda Pepper. O pagamento da recompensa pode ser feito em “Benx”, token criado pela própria Bluebenx que funciona apenas dentro do app, ou em “stable coins” -- criptomoedas que são pareadas em real, euro, dólar, entre outras moedas convencionais.

A recompensa pode ser vendida dentro da própria Bluebenx e convertida em real para realização de pagamentos, saques e outras transações comuns. Por determinações do Banco Central, que ainda está estabelecendo as legislações em torno dos tokens de pagamento, o cliente só pode retirar o valor recebido em cashback quando convertido em real.

 

Embora o primeiro boom do Bitcoin tenha acontecido em 2017, a criptomoeda teve oscilações em sua valorização ao longo dos anos. Desde 2020, têm sido cada vez mais adotadas por empresas -- e as fintechs não são exceção.

As moedas criptografadas têm sido aceitas como formas de pagamento ou investimento, para proteção de patrimônio. A segunda medida foi adotada por empresas como Tesla e Micro Strategy, que compraram milhões de dólares em bitcoins.

Há, no entanto, um movimento em que as criptomoedas estão se tornando cada vez mais acessíveis no dia a dia das pessoas. Além da Bluebenx, as fintechs brasileiras Alter e a Zro Bank também disponibilizam o armazenamento desses ativos digitais em suas contas.

Innovation Pay, evento gratuito e online da StartSe sobre o futuro do dinheiro

Entenda como está sendo traçado o Futuro do Dinheiro e a Revolução Digital dos Pagamentos no INNOVATION PAY, evento gratuito da StartSe que será realizado nos dias 6, 7 e 8 de abril, das 17h às 20h. Inscreva-se aqui e aprenda com as maiores referências do Brasil e do mundo!