Inicio

Artigos

Aulas

Cursos

Eventos

Em breve

Programas

Em breve

Podcasts

Em breve

Web Séries

Inicio

Artigos

Aulas

Cursos

Eventos

Em breve

Programas

Em breve

Podcasts

Em breve

Web Séries

article image

A Uber vai virar fintech?

A empresa investe cada vez mais na sua versão de banco digital. Confira nossa análise em vídeo

Por Tainá Freitas

A Uber é conhecida pelo serviço de corridas por aplicativo. No entanto, desde 2009, a empresa já passou por várias fases: oferta de bicicletas e patinetes; desenvolvimento de carros autônomos; delivery (com o Uber Eats, que continua em alta), entre outros. Agora, o próximo passo é entrar em serviços financeiros.

A empresa anunciou o lançamento de uma conta digital para motoristas. Se antes o repasse das corridas levava uma semana para ser pago, com a conta digital isso acontece instantaneamente. A iniciativa fortalece a concorrência da Uber frente outras alternativas, a exemplo da 99 (que também possui uma conta digital semelhante) e Cabify.

Essa não é uma iniciativa apenas da Uber. A empresa realizou uma parceria com o Digio para oferecer o serviço. Os motoristas acessam suas contas diretamente no aplicativo do banco digital, mas possuem benefícios exclusivos.

Embora a conta digital da Uber seja uma novidade do Brasil, nos Estados Unidos os motoristas contam com essa opção desde 2019. Por lá, a companhia oferece o “Uber Money”, que possui um time dedicado só para ele na empresa. No entanto, também trabalha com as parceiras Greendot (em tecnologia) e GoBank (para saques).

No Brasil, além do repasse instantâneo, os motoristas podem pagar contas, realizar transferências, sacar dinheiro e obter descontos e cashback em compras online. Embora o número de saques e TEDs seja limitado, a conta digital já possui o PIX. Não há ônus de anuidade ou mensalidade.

Cashback do Uber no app (foto: reprodução/Uber)

Uma tendência crescente de mercado

A Uber não é a única fornecedora da conta digital, mas não seria uma surpresa se esse cenário mudasse. É o que tem acontecido com diversas startups: o aplicativo de entrega de tudo, Rappi, possui sua carteira digital e cartão; o Magalu possui o Magalu Pay; o Mercado Livre possui o Mercado Pago; a Americanas tem o AME… A lista é longa.

Esse fenômeno tem sido chamado de “fintechização” das empresas. Hoje, elas estão fazendo parcerias ou até mesmo adquirindo soluções para tornar processos mais eficientes. Elas compreenderam que a experiência do usuário conta do início ao fim — passando também pelo pagamento, não apenas na utilização do serviço/produto.

O que era aprendizado, virou estratégia. Diversas empresas têm se tornado cada vez mais presentes em setores que não são suas propostas originais.  Enquanto garantem a qualidade de um serviço do início ao fim, também podem economizar e trazer mais conhecimento para dentro de casa. No caso dos serviços financeiros, o ganho também é monetário, pois podem diminuir o gasto com transações.

Não por acaso, as fintechs foram o “tipo de startup” mais adquirido em 2020, com 15 empresas compradas. Entre as aquisições, estão a da Hub Fintech pela Magalu (por R$ 290 milhões) e da Parati Créditos e BitCapital pela AME. Ainda existe dúvida de que elas pretendem avançar cada vez mais nesse sentido?

Thumbnail do vídeo

O Planejamento Estratégico Tradicional se tornou um mecanismo "ingênuo" para acompanhar o ritmo da Nova Economia. Conheça o programa S4D - Strategy for Disruption e veja o inédito Planejamento Estratégico 4D StartSe, único no mundo e capaz de gerar Poder Competitivo e Adaptativo Real para seu negócio.

Ícone de um envelopeLogo StartSe

Receba nosso resumo diário com o que realmente importa!

Inovação e negócios em 5 minutos ou menos para que você não fique para trás

Carregando formulário...